Modelagem de Processos de Negócios (BPM)

O Mapeamento e a Modelagem de processos permitem às empresas compreenderem os seus pontos fortes e fracos, os papéis, as responsabilidades e seu o fluxo de valor. Esta compreensão contribui para tomar medidas que aumentem sua produtividade, melhorem a qualidade dos seus produtos e serviços, eliminem desperdícios e consequentemente reduzam custos o tragam melhores resultados financeiros para a empresa.

As instituições financeiras, em função dos acordos de Basiléia e exigências de órgãos reguladores, devem adequar seus processos a fim de garantir maior eficácia à redução de riscos operacionais e automatizar processos manuais por processos sistêmicos a fim de se obter maior controle e desempenho em suas operações.

A Vuori possui uma equipe especializada em Gestão de Processos prontos para auxiliar os clientes a aprimorarem suas operações através da modelagem e automação de processos, utilizamos uma metodologia criada de acordo com as melhores práticas de disseminadas pela ABPMP (Association of Business Process Management Professionals), através do BPM CBOK – Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio ,onde definimos o escopo de processos específicos utilizando modelos gráficos para documentar resultados e modelar fluxos de processos AS-IS e TO-BE, utilizando a notação BPMN e identificamos oportunidades de melhoria através do mapeamento de gaps.

 

 Processos

Fase 1 - Planejamento e Alinhamento Estratégico:

  • Emoldurar a organização:
    • Descobrir/Descrever os processos atuais;
    • Definir o sentido dos processos;
    • Elaborar cadeia de valor: identificar os processos primários, de gestão e de apoio;
    • Certificar a Estratégia;
    • Definir o que é Importante;
    • Definir/Propor tratamento.

 

Fase 2 – Análise de Processos:

  • Identificar necessidades;
  • Identificar resultados que agrega valor;
  • Mapear AS IS;
  • Desenhar AS IS;
  • Analisar documentação do processo;
  • Documentar a análise;
  • Validar o entendimento e documentação.

 

Fase 3 – Desenho de Processos:

  • Definir TO BE;
  • Desenhar TO BE;
  • Aceite do novo processo;
  • Documentar o processo;
  • Validar documentação do processo;
  • Criação do plano de implantação.

 

Fase 4 – Implantação de Processos:

  • Implantação Sistêmica;
  • Implantação Não Sistêmica. 

 

Fase 5 – Monitoria de Processos:

  • Acompanhar processo;
  • Monitorar desempenho do processo.

 

Fase 6 – Refinamento de Processos:

  • Avaliação da eficiência do processo;
  • Avaliação dos custos do processo;
  • Avaliação do relacionamento com o cliente.